• Natalie Shimada

Pilar Montessori – Adulto Preparado

Natalie Shimada


Maria Montessori, via no adulto um pilar essencial para o método, o educador é muito mais do que transmissor de conhecimento é um modelo de adulto a ser seguido. O preparo que se exige de um guia montessoriano supera o intelectual e acadêmico, devemos nos preparar espiritualmente no que diz respeito à atitude perante a criança.

Apontamos para as crianças o tempo todo seus defeitos, exigimos determinados comportamentos, mas ao mesmo tempo negligenciamos nossa postura, nossos vícios e nossos maus hábitos. Para Maria Montessori o adulto precisa identificar e remover preconceitos, crenças que possam impedir uma verdadeira compreensão da criança. E isso não é nada simples de fazer pois precisamos encarar nossas dores, nossos defeitos e desfazer crenças que sustentam nossas decisões. È um exame de consciência.

Um Educador Montessoriano é um eterno cientista dedicado a estudar, observar, rever e aprender. É um profundo conhecedor do método, materiais e da criança, são capazes de dizer fase de desenvolvimento, interesses, período sensível e observar sem julgar. Uma construção de anos e sempre a aprimorar.

A educação visa facilitar a liberdade individual, o educador auxiliar que a criança consiga atender suas necessidades e alcançar autonomia, não agindo por ela e nem a impedindo de alcançar seu desenvolvimento. Para ensinar em uma sala Montessori o educador deve amar e compreender o universo para contagiar pelo amor ao conhecimento. Quais atitudes podemos começar a colocar em prática para a mudança?

  • A primeira atitude e talvez a mais essencial é buscar constantemente autoconhecimento

  • Confie na capacidade inata da criança, confie antes de interferir. E mesmo quando decidir interferir avalie quando o fazer e decida de que forma irá fazer

  • Seja humildade, você não é a causa do processo de desenvolvimento da criança, você é o assistente desse processo

  • Se torne um cientista, não queira respostas prontas e fáceis, observe, investigue e estude.

  • Não procure respostas fora, as respostas na relação com a criança

  • Confie no potencial inato da criança

  • Seja verdadeiramente interessado na criança

  • Facilite a liberdade individual

  • Prepare o ambiente cuidadosamente

  • Observe, muitas vezes antes de formar opinião

  • Não faça julgamentos baseados em momentos das crianças


As crianças merecem um adulto onde possam confiar, se desenvolver e ser quem o são, sem precisar atender nossas projeções, nossas expectativas e nossos medos. No Livro A Criança encontramos a seguinte frase: Tire primeiro a trava do teu olho e saberá tirar o cisco dos olhos das crianças.