• Natalie Shimada

Pilar Montessori – Ambiente Preparado

Natalie Shimada


“A educação da criança não visa prepará-la para a escola, mas para a vida” (Montessori, 1967)

Um ambiente esteticamente bonito, com vasos de flores, janelas amplas, cortinas balançando suavemente com o vento, arejado, com boa luminosidade, um sofá aconchegante com uma luminária ao lado e quadros nas paredes, ao falar isso você já elaborou mentalmente um local de paz, agradável e acolhedor. Assim, deve ser o ambiente para as crianças, um ambiente encantador e acolhedor. Um ambiente adequado para a criança nada tem a ver com “coisas e mais coisas no estilo Montessori” e sim com um ambiente que possibilite a criança agir com autonomia e segurança. Um local onde possa exercer sua força espiritual, mental e física. Um local onde não se sinta deslocada, inapropriada e sempre inconveniente.

O mundo adulto ao planejar a chegada de um bebê, prepara o mundo externo com itens e mais itens e todos eles para uso do adulto: o berço, a poltrona de amamentação, a cômoda, o guarda-roupa, o carrinho. Para o uso infantil preparamos brinquedos de plástico, brinquedos que piscam, que cantam, que brincam sozinhos e não atendem a necessidade do bebê e sim aos caprichos dos adultos.

Montessori diz no Livro Pedagogia Cientifica, “Enganamo-nos pensando que a criança "cheia de brinquedos", sempre cercada de ajuda, "deveria ser a mais evoluída". Muito pelo contrário, a multidão desordenada de objetos agrava seu estado de espírito semeando nele, novamente, o caos, oprimindo-a e desencorajando".

A mente absorvente de 0 a 6 anos, imprime na criança o mundo a sua volta. Por isso, é tão importante zelarmos pelo ambiente onde a criança cresce. O ambiente é tão poderoso que nele está a psique da criança, ela não vive no ambiente, a criança se torna parte dele. No Livro Mente absorvente Maria Montessori escreve “Ela absorve a vida que ocorre ao seu redor e se torna una com ela. As impressões da criança são tão profundas que ocorre uma mudança biológica ou psicoquimica pela qual a mente termina por se parecer com o próprio ambiente”.

A disciplina em uma sala Montessori é ativa, uma criança que possui oportunidade de decidir sobre si mesma, é uma elevada concepção de educação diferente de uma concepção onde a criança deve ficar imóvel em sala de aula para aprender. As crianças no dia a dia por meio da repetição, das relações sociais, da prática e hábito absorve a disciplina que possa conduzir à independência.

Outro ponto importante é, grande parte dos conflitos com as crianças é porque não entendemos a necessidade das crianças de se apropriar do ambiente. Montessori escreveu “Vê que deve fazer uma renúncia imensa, renunciar a seu ambiente, e isso é incompatível com a vida social como ela existe. Em um ambiente adulto, a criança é, sem dúvida, um ser extrassocial. Mas simplesmente calá-la, como tem sido feito até agora, significa uma repressão de seu crescimento.”

Ajudar a vida mental da criança a partir do ambiente é essencial. E podemos aprender a organizar o ambiente, mas antes de sair organizando reflita qual a intenção das mudanças? Importante compreender por que deseja levar os princípios Montessori para casa. De nada adianta, um colchão no chão do quarto se a criança não tem acesso ao quarto quando deseja. De nada adianta, ter acessibilidade se não permitimos o uso.

Pronto? Então, vamos a algumas mudanças práticas no ambiente que você pode começar a fazer em casa:

  • A primeira lição é tornar o ambiente interessante esteticamente, bonito e organizado. Organize os objetos de forma que proporcione boa distinção visual, que seja de fácil acesso e principalmente que facilite na hora de guardar os objetos. Retire estímulos desnecessários e avalie a quantidade de brinquedos expostos, talvez seja mais conveniente fazer um rodizio, alternar brinquedos entre os que são mais interessantes ou não. Você não precisa ser estante Montessori, cama Montessori e escada Montessori. Em uma sala Montessori onde temos crianças permanentemente temos cadeiras, mesas, estantes, pias e vasos sanitários na altura das crianças. Mas, sei que em casa é um tanto complicado uma vez que o espaço é de uso comum dos adultos, então proporcione que as crianças acessem, proporcione independência.

  • Acessibilidade, é o que podemos fazer pelas crianças. Coloque uma escada simples, um banco, a intenção é proporcionar autonomia. A criança poderá abrir a torneira da pia quando desejar lavar as mãos, sem depender da solicitação de um adulto. Poderá lavar uma fruta quando precisar, sem precisar a todo momento dizer o quanto precisa de um adulto. Pequenas mudanças que dão a criança senso de capacidade, confiança e a conquista da autonomia e que poderemos ver uma criança em paz.

  • Aceite que as crianças não querem brincar o tempo todo, as crianças possuem um desejo de realização de atividades que exijam esforço físico e mental, essas atividades estão no mundo que a rodeia em casa. O excesso de brinquedos espalhados no ambiente, possuem a ideia de que a criança somente pode se apropriar disso, que as crianças somente podem fazer coisas se propósito.

  • Na cozinha: permita que a criança tenha acessos a utensílios de verdade, lógico, utensílios separados cuidadosamente. Mas, organize de forma que a criança possa servir uma mesa, tenha acesso a uma toalha de mesa, copos para beber água, talheres, prato, cumbuca. Podemos deixar um espaço no armário para criança, ou deixar as portas acessíveis com utensílios que não trarão perigo a criança e ela possa explorar. Podemos também deixar os alimentos acessíveis para a criança montarem o seu lanche, e avaliamos o que pode ser deixado: frutas, pão, ovo cozido. O papel do adulto é essencial para a criança ser aceita no ambiente e não rejeitada


  • No quarto: deixe poucas peças disponíveis de roupa, calçados, meias, roupa íntima. A escolha das peças deve seguir conforme o clima. Podemos deixar em um local onde a criança consiga acessar, e tenha autonomia para escolher e vestir. Se o que está disponível é seguro e adequado, a criança pode escolher qualquer item. A criança pode se vestir e tirar roupa e guardar. Um espelho para a criança se ver, uma escova de cabelo, acessórios, lenço de nariz. A cama não precisa ser a casinha Montessori, o que precisa é ser acessível, o colchão no chão permite que a criança se deite e levante quando desejar. Um quarto simples, mas esteticamente bonito.

  • No banheiro: coloque um banquinho para a criança acessar a pia, disponibilize escova de dentes, creme dental, sabonete para lavar as mãos e toalha. Um adaptador no acento do vaso, uma escada.

  • No restante da casa, possibilite que qualquer espaço seja seguro, e que a criança possa explorar e acessar.

A liberdade no campo físico é muitas vezes dado, o que precisamos repensar e avaliar se há também a liberdade no campo mental. Não adianta acessibilidade, se a criança é interrompida a toda vez, ou se o ambiente da casa é desorganizado, ou se o adulto não é modelo de organização. Comece dando os primeiros passos se organizando nas rotinas, guardando itens desnecessários no ambiente nosso e das crianças.

A liberdade e disciplina da criança virão da concentração, e podemos possibilitar por meio do ambiente. A Maria Montessori descobriu que as crianças são automotivadas para aprender com o seu ambiente.