• Escola Lega Montessori

Podemos educar de forma consciente e respeitosa em casa e na escola

Natalie Shimada


O que defendemos na Escola Lega Montessori é uma educação respeitosa, sem castigos, punições ou chantagem e isso não é sinônimo de permissividade.

As crianças de hoje são diferentes de como nós quando éramos crianças. Nascemos em uma sociedade completamente diferente dos nossos filhos, que provavelmente estranham e desconhecem fita cassete, mapas para viagens, CD, locadora de filmes, show da Xuxa e Cindy Lauper. Em nossa infância, não pensávamos que existiriam profissões como youtuber, desenvolvedor de aplicativo, engenheiro de veículo autônomo, cientista de dados, gerente de mídias sociais e muitas outras.

Nas últimas décadas houve muitas mudanças sociais, quebras de tabus e transformações políticas. Os adultos de hoje não se comportam como os adultos dos anos 80/90, e as crianças de hoje possuem estímulos e estilo de vida diferente das crianças dos anos 2000. Exigir que a educação das crianças seja a mesma de quando éramos crianças é como aprisionar mentes e vidas dentro de um programa formação que não atende as demandas materiais e sociais da vida de hoje.

Mas, qual caminho percorrer na educação dos filhos diante de uma enxurrada de informações, estudos, posts, teorias e metodologias? Há um desejo e reconhecimento da necessidade de se fazer diferente na educação das crianças, mas sem conhecimento retornamos ao modelo que já passamos, aquele que fomos educados e sabemos que com o resultado bom ou ruim, chegamos até aqui.

Deixo algumas para você leitora(o): Qual foi o modelo de educação que você escolheu? Quais são as necessidades da sua criança? Quais são as suas necessidades como mãe e pai? Quais regras, combinados faz sentido para sua família? Quais são as suas prioridades na hora de educar? Estas perguntas podem te ajudar a encontrar um caminho único, sem resposta pronta ou abordagem padronizada.

Muitas vezes estamos perdidos em educar fugindo do modelo autoritário de tempos atrás e acabamos sendo demasiados permissivos e algumas vezes negligentes sem nos responsabilizarmos pela educação dessa criança. Ou ainda, desejamos ter o controle sobre a educação das crianças e desrespeitamos o corpo e desenvolvimento socioemocional infantil.

Para uma criança desenvolver responsabilidade e motivação precisa de um ambiente onde possa vivenciar respeito mútuo, acolhimento diante das frustrações, oportunidades para assumir responsabilidades, vivências para lidar com os próprios erros, aprender a cooperar com as pessoas e contribuir para a vida em comunidade.

Quando falamos em ser gentis com nossos filhos não significa abrir mão da nossa responsabilidade como adultos e pais em colocar limites e tomar decisões, significa ser exemplo de amor e assertividade. Não podemos deixar de ensinar o que é certo e o que é errado, mas o podemos fazer de forma digna, motivando a criança para ser melhor e não para sentir medo, vergonha e solidão.

Quando somos capazes de vivenciar o respeito mútuo e dividimos as responsabilidades familiares. Todos os membros desse lar se sentem importantes e capazes de desenvolver habilidades de vida, é um caminho longo de repetição e insistência, sem estratégia mágica.

Por meio de uma parentalidade mais consciente podemos ser assertivos, aceitando a natureza básica das crianças e ao mesmo tempo podemos ter firmeza para ajustar comportamentos e guiar na formação para a vida. Podemos sair do controle automático para educar e convidamos você a refletir em como a escola e família precisam caminhar juntas rumo a uma educação consciente e capaz de formar crianças que saibam fazer boas escolhas e contribuir com o mundo.

Conforme Rudolf Dreikus, gentileza é importante para mostrar respeito e firmeza para mostrar respeito por nós.